Pobreza menstrual | Deputada bolsonarista sugere que mulheres usem ‘paninhos’ em lugar de absorventes

Atualizado ás 17⏲️48 – desta seg,11 | conteúdo: ‘redação’ agradecemos – ás; 116.046 👁️ visualizações.

SEGUI APÓS PUBLICIDADE 👇

Alê Silva (PSL-MG) disse que em seu tempo não tinha “mimimi”, ironizando quem pede para que o governo federal distribua absorventes para quem não pode arcar com o custo de um.

A deputada federal Alê Silva (PSL-MG), que faz parte da base de apoio do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na Câmara, deu uma mostra gráfica de como o fato de ser mulher não a torna aliada nas lutas e bandeiras femininas, principalmente nas bandeiras das mulheres trabalhadoras, ao ironizar o pedido de mulheres em vulnerabilidade social para que o governo federal fornecesse absorventes ao público citado e para estudantes de escolas públicas. Bolsonaro vetou a distribuição na última quinta-feira (7/10).

Leia mais: Bolsonaro diz que tirará dinheiro da Saúde e da Educação se Congresso derrubar veto sobre distribuição de absorventes

“Sou do tempo em que usávamos paninhos, que a cada mês eram lavados e passados para serem novamente usados. Não tinha mimimi, aínn o governo tem que me dar (sic)”, publicou a deputada.

Diferente do deboche da deputada, a pobreza menstrual – como é chamada a dificuldade de aquisição de recursos de higiene, infraestrutura e conhecimentos sobre a menstruação – se trata de um grave problema afetando o desempenho escolar das estudantes brasileiras. Segundo dados da Unicef e da UNFPA, uma em cada quatro jovens brasileiras deixa de ir ao colégio durante o período menstrual por falta de absorventes, média 2,5 vezes superior à mundial. Com isso, as jovens perdem cerca de 45 dias de aula por ano letivo.

Mais de 4 milhões de jovens não têm itens básicos de higiene nas escolas quando estão menstruadas e 713 mil delas vivem sem acesso a banheiro ou chuveiro em seu domicílio. Muitas vezes essas mulheres e homens trans acabam usando absorventes improvisados, como miolos de pão ou papéis variados, que escancaram a pobreza menstrual que assola milhares no país.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *