Lula em Foco: viabilizando Receita para o Brasil voltar a Crescer “investimento público & democracia”

Publicado por Diario do Centro do Mundo – em, 10 de março de 2020 | Ao Portal Neto Gaia (Foto & Vídeo: Produto Ilustrativo com Cortesia)

Ex-presidente participou hoje (10) de ato em defesa da democracia brasileira. “Se não sabem, aprendam: é o governo que tem de investir para gerar confiança”, disse Lula em Berlim. “O Brasil não está precisando de mais um golpe, está precisando é de mais democracia”. Veja o que Lula disse sobre a crise econômica, Bolsonaro, democracia e povo na rua:

“Vocês estão vendo a crise que o mundo está vivendo. Uma crise econômica e uma crise financeira. Econômica porque o país que puxava a economia, que era a China, com o coronavirus está deixando de produzir muita coisa, está deixando de comprar muita coisa, e isso tem uma influência negativa no comércio do mundo inteiro. E uma crise financeira porque o mundo tá cheio de banco que pode quebrar, porque banco vive de vender papel, sem produzir um pente, uma escova de dentes, e pode quebrar como aconteceu com o Lehman Brothers em 2008, que nós já gastamos 25 trilhões de dólares e ainda não conseguimos resolver o problema do sistema financeiro.

Estejam preparados para dias difíceis no Brasil. A economia não cresce, o PIB não cresce. Vocês viram pela internet: o PIB só cresceu 1 por cento e o presidente, cara de pau como é, ao invés de explicar à população, preferiu contratar um humorista da Record do Rio de Janeiro para esculhambar o não crescimento do PIB. Seria melhor e mais digno ele ter coragem de falar para o povo por que que o PIB não cresceu. E não vai crescer enquanto eles não falarem a palavra desenvolvimento, política industrial, geração de emprego, distribuição de renda, ao invés de falar só em pacote fiscal, em corte, em emenda 95 e, mais ainda, falar em vender patrimônio público.

Segui após publicidade:

Prefeito Luciano Duque: Focado no Crescimento da Educação de Serra Talhada

É inacreditável que mais uma vez o que a gente vê é uma tentativa de desmontar o estado. O discurso mais simples é o seguinte: “O estado arrecada muito, é preciso diminuir a arrecadação do estado. E o estado gasta muito mal. É preciso então que os empresários governem o país”. Vocês estão lembrados de quando a Fiesp colocava os patinhos do quem vai pagar o pato? Por que que ela não coloca o patinho agora e vai cobrar do Bolsonaro? É porque a verdade nua e crua é que nos países mais justos do mundo o estado tem de ser forte, porque só quem faz política social é o estado. Só quem faz política para o pobre é o estado. Se o governo não presta, troca-se o governo. Mas o que não dá é achar que o estado fraco resolve o problema da população. Não resolve.

Vocês estão lembrados da crise de 2008, e muita gente zombou quando eu disse que a crise era só uma marolinha, que ela ia passar rápido e que a gente ia consertar o Brasil. O que aconteceu? Nós tivemos um ano muito duro porque as indústrias automobilísticas, em função da crise da economia nos seus países, reduziram a produção no Brasil. Mas em 2010 o Brasil já voltou a crescer 7,5 por cento. Se essa gente que está governando o Brasil quiser resolver os problemas do Brasil só tem um jeito. Não adianta jogar a culpa em cima da China, não adianta jogar a culpa em cima do coronavírus, porque o Brasil é um país grande, tem 210 milhões de habitantes, tem um mercado consumidor extraordinário.

Se a gente quiser recuperar a economia brasileira, deixem de olhar pra China. O governo que faça investimento como eu fiz. Na época nós colocamos 100 bilhões pra financiar a economia. O governo que abra crédito pras pessoas investirem, o governo que coloque investimento em infraestrutura, porque na hora que o governo investe as pessoas começam a acreditar e podem começar a investir. Se o governo não acabar com a política de contenção de gastos que ele está fazendo, com a PEC 95, que não vai gastar nada, se o governo não parar de acumular dinheiro pra pagar taxa de juros, se o governo não colocar dinheiro para investir no desenvolvimento, sobretudo em obras de infraestrutura, o Brasil não vai se recuperar tão cedo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *