Entenda o conflito no Afeganistão e a ofensiva do Talibã para tomar o poder

Atualizado por Charles Gaia; ás 14⏲️ 10 – deste dom, 14 | conteúdo; THIAGO AMÂNCIO | FOLHAPRESS ao Portal Neto Gaia.

Saiba como surgiu o grupo fundamentalista, que tomou o governo do país neste domingo (15), e e por que os Estados Unidos tinham tropas na região

Afeganistao_conflito
Anúncio das retiradas das tropas dos EUA deram início ao movimento que levou o Talibã a tomar o governo do Afeganistão Foto Foto: AFP

Após mais de quatro décadas de guerra quase constante, os afegãos vivem novo momento crítico na história do país, a ofensiva do grupo fundamentalista Talibã que, à força, tomou o governo do Afeganistão neste domingo (15).

Duas décadas depois de sair do comando do país, a milícia extremista chegou à capital, Cabul, deixando um rastro de violência que se tornou também uma crise humanitária. Entenda, a seguir, a guerra em curso no Afeganistão.

O QUE ESTÁ ACONTECENDO NO AFEGANISTÃO?

O grupo fundamentalista islâmico Talibã começou campanha militar para tomar o comando do Afeganistão. Desde que os Estados Unidos começaram a retirar tropas militares após 20 anos de guerra no país, os rebeldes lançaram uma ofensiva pelo interior e  conquistaram a maior parte do território. O grupo conquistou as maiores cidades e e chegou à capital, Cabul. 

O QUE É O TALIBÃ E COMO O GRUPO SURGIU?

A palavra Talibã significa “estudantes” em pashto, um dos idiomas oficiais do Afeganistão, língua da etnia majoritária pashtun. O grupo surgiu de milícias estudantis apoiadas pelo Paquistão, que faz fronteira com o Afeganistão, e pelos Estados Unidos, em um contexto de Guerra Fria, para expulsar a União Soviética, que ocupava o país desde o fim dos anos 1970.

Com o colapso do bloco comunista e a saída das tropas soviéticas, o grupo se organizou e disputou, contra outras facções, uma guerra civil, da qual saiu vitorioso em 1996, o que lhe deu o comando do Afeganistão.

COMO FOI O PERÍODO EM QUE O GRUPO GOVERNOU O PAÍS?

Em 1996 o Talibã estabeleceu o Emirado Islâmico do Afeganistão, com o religioso e veterano de guerra Mohammed Omar como seu comandante supremo. O grupo foi bem recebido por algumas camadas da sociedade afegã pela promessa de devolver alguma estabilidade ao país devastado por quase duas décadas de guerra.

Os extremistas, no entanto, nunca chegaram a controlar o território por completo, encontrando resistência sobretudo a nordeste do país. Apesar de ter o controle do Estado, o Talibã não tinha respaldo internacional.

Com um discurso anticorrupção e em um esforço de moralização de uma sociedade supostamente corrompida, o Talibã impôs uma interpretação severa da “sharia”, a lei islâmica. Relatório da ONG Human Rights Watch aponta que o grupo cometeu violações sistemáticas de direitos humanos, com castigos corporais, execuções e supressão de liberdades de expressão e religião.

O governo do Talibã, por exemplo, não permitia que meninas estudassem. Mulheres não podiam sair de casa desacompanhadas e sem burca, e homens tinham que manter a barba grande.

O grupo também proibia manifestações culturais ocidentais de modo abrangente, incluindo música e cinema, o que levava a punições até a quem tivesse aparelhos de televisão. Sob ordens de destruir todas as estátuas do país, o Talibã explodiu em 2001 dois monumentos gigantes que representavam Buda, que datavam do século VI e tinham 38 metros e 55 metros de altura, ação amplamente condenada pela comunidade internacional.

COMO O GRUPO SAIU DO PODER E POR QUE OS ESTADOS UNIDOS TINHAM TROPAS NO PAÍS?

Os ataques de 11 de setembro de 2001 nos Estados Unidos foram atribuídos à rede terrorista Al Qaeda, sob o comando de Osama Bin Laden, que observadores internacionais diziam ter proteção do Talibã no Afeganistão – relatório do Conselho de Segurança da ONU aponta que em 2021 os dois grupos ainda mantêm laços.

Com a recusa do governo afegão em entregar o grupo terrorista, os Estados Unidos lideraram uma coalizão militar que invadiu o país em outubro de 2001. Os principais líderes do Talibã, incluindo o chefe supremo do grupo, Mohammed Omar, fugiram, e o governo caiu pouco depois, em dezembro.

COMO FOI A OCUPAÇÃO MILITAR E O QUE ACONTECEU NO PAÍS NOS ÚLTIMOS 20 ANOS?

Com a expulsão do Talibã, os Estados Unidos estabeleceram um governo provisório, e desde 2004 o país começou a ter eleições democráticas.

Mas o grupo fundamentalista nunca deixou de reivindicar o poder e continuou realizando atentados tanto no país como em Estados vizinhos. Um dos ataques de maior repercussão ocorreu em 2012, no Paquistão, onde o grupo também é influente, contra Malala Yousafzai, então estudante de 14 anos que denunciava à imprensa internacional a violência do Taleban na região. A menina sobreviveu e ganhou o Nobel da Paz, e o atentado gerou nova onda de reação internacional contra o grupo extremista

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *