BRASÍLIA: Humberto Costa justifica Voto contra ‘o Marco legal do Saneamento Básico’

Segundo o senador, o projeto “entrega o filé à iniciativa privada e deixa o osso para o Estado roer”.

Humberto Costa justifica voto contra o marco legal do saneamento básico

Humberto Costa critica declaração de Bolsonaro/ Foto: Roque de Sá/Agência Senado

“Fonte:  Portal de Prefeitura Ao  Portal Neto Gaia”

Em publicação no Twitter, momentos depois da votação do marco legal do saneamento básico, na noite desta quarta-feira (24), o senador pernambucano, Humberto Costa (PT), justificou o motivo pelo qual achou pertinente votar contra a medida. Segundo Humberto, o projeto “entrega o filé à iniciativa privada e deixa o osso para o Estado roer”. O parlamentar ainda alegou que a votação não deveria ser feita durante a pandemia e que essa manobra foi feita “para atender os interesses do capital privado”.

Aprovado no senado, o marco, entre outras medidas, facilita o aumento da participação privada na prestação do serviço e prevê coleta de esgoto para 90% da população até o fim de 2033. A proposta em votação reúne pontos de duas MPs, de um projeto do senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) e de um texto encaminhado pelo governo à Câmara no ano passado.

O novo marco legal foi aprovado pela Câmara dos Deputados em dezembro do ano passado. No Senado, 13 senadores votaram contra a aprovação do Marco legal do saneamento básico.

Publicidade:

Zé Dida Gaia (…) De Olho em uma Cadeira na Casa Joaquim de Souza Melo (Pelo PP de Dr. Valdir Tenório)

SEGUE >>

Em publicação no Twitter, momentos depois da votação do marco legal do saneamento básico, na noite desta quarta-feira (24), o senador pernambucano, Humberto Costa (PT), justificou o motivo pelo qual achou pertinente votar contra a medida. Segundo Humberto, o projeto “entrega o filé à iniciativa privada e deixa o osso para o Estado roer”. O parlamentar ainda alegou que a votação não deveria ser feita durante a pandemia e que essa manobra foi feita “para atender os interesses do capital privado”.

Aprovado no senado, o marco, entre outras medidas, facilita o aumento da participação privada na prestação do serviço e prevê coleta de esgoto para 90% da população até o fim de 2033. A proposta em votação reúne pontos de duas MPs, de um projeto do senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) e de um texto encaminhado pelo governo à Câmara no ano passado.

O novo marco legal foi aprovado pela Câmara dos Deputados em dezembro do ano passado. No Senado, 13 senadores votaram contra a aprovação do Marco legal do saneamento básico.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *